ZUS 2012 – OS VENCEDORES

ZUS! 2012

Vencedores:

FIRST BREATH AFTER COMA

Roberto Caetano: voz
Telmo Soares: guitarra
Rui Gaspar: baixo
Pedro Marques: bateria
Isa: teclas

FACTOS:
Formaram-se em 2010, então com a designação de Kafka Dog, colectivo que se dividia entre versões de Iggy Pop, Joy Division ou The Doors e alguns originais. Pouco antes da sua participação no Zus mudaram o nome para First Breath After Coma, designação de uma das bandas que de momento mais os influencia, os Explosions In The Sky (Outras influências são os Radiohead, Cinematic Orchestra, Foals e Sigur Rós). Com a mudança de nome veio também a mudança no rumo musical, agora mais enquadrado no movimento pós-rock.

APRECIAÇÃO FADE IN:
Os First Breath After Coma surpreenderam-nos pela maturidade musical e estética com que se apresentaram em palco. A sua música contém arranjos e pormenores de elaboração refinada e tem espaço para que se criem ambientes e nuances de dinâmicas várias. A voz é bastante segura e personalizada e a presença em palco fortemente estilizada, atributos mais que suficientes para que tenham garantido o passaporte para o exigente FADEINFESTIVAL.


JOANA VILHENA

Joana Vilhena: voz e guitarra

FACTOS:
Começou a compor originais em Julho de 2011 após terminar a sua anterior banda. Assume influências do rock dos anos 80 e 90 que vão de Slash a Bon Jovi, mas também dos Hives, Incubus, Avenged Sevenfold, Ed Sheeran e The Fray.

APRECIAÇÃO FADE IN:
Joana Vilhena é uma jovem com coragem e encarnou o espírito ZUS! na perfeição. Munida da sua guitarra à ilharga, subiu ao palco com uma simplicidade e simpatia desarmantes. Embora tenha revelado algum nervosismo ficou patente que esta compositora tem canções com potencialidade. O trabalho contínuo apurará a sua forma e trazer-lhe-á a maturidade que as suas canções de reminiscência rebelde merecem. Temos aqui uma pequena PJ Harvey em potência!

JOÃO BARREIRO

João Barreiro: voz e guitarra

FACTOS:
Começou a tocar guitarra por curiosidade e para estudar algumas formações de acordes. Depois, aos poucos, foi aprendendo a tocar sozinho até que começou a cantar enquanto tocava.

APRECIAÇÃO FADE IN:
João Barreiro é um jovem músico autodidata ainda em formação mas que revela um potencial assinalável. Em palco, o seu sorriso espontâneo e a sua inocência delico-doce são pontos que favorecem a atenção que nele devotamos. As sua canções, a deambularem num universo que nos remete para David Fonseca apresentam-se muito bonitas mas ainda (naturalmente) com traços de natureza juvenil. A maturidade composicional virá com o tempo e o reconhecimento acontecerá de forma justa e natural…

METIDOS A SORO (ex-Slickers)

Pedro Barbeiro : voz e guitarra
Carlos Gomes: guitarra
Pedro Sousa: baixo e voz
João Ramos: bateria

FACTOS:
Formaram-se em 2011 mas só em 2012 começaram a compor originais, primeiro como Slickers mas como cantavam em português decidiram mudar para um nome na nossa língua: Metidos a Soro. Foi já com essa nova designação que se apresentaram na grande final do Zus! Assumem influências de Xutos & Pontapés, Peste & Sida, Quinta do Bill, Táxi, GNR, Ornatos Violeta, Fonzie e Fitacola.

APRECIAÇÃO FADE IN:
Foi bastante gratificante assistir à prestação dos Metidos a Soro, uma jovem formação que bebe influências no rock português, sobretudo no que se fazia nos anos 80. As letras, bastante peceptíveis, têm um carácter reivindicativo salutar e revelam uma banda plena de energia. Aliás, esta é uma das faculdades mais notórias neste colectivo que também tem no seu frontman uma mais-valia. Rock in your face bem feito e a seguir com atenção.


ROOSTER CLAW

Vasco : voz
Luís: guitarra
Bernardo: baixo
Pedro: bateria
Guilherme: guitarra

FACTOS:
Formaram-se em Setembro de 2010 ainda como trio e deram um concerto. Depois, com a entrada de um quarto elemento deram mais dois concertos sob a designação de Roxane. A entrada do quinto e último músico deu então origem aos Rooster Claw. O jovem quinteto assume influências dos The Doors, Led Zeppelin, Pink Floyd e Dream Theatre.

APRECIAÇÃO FADE IN:
Os Rooster Claw proporcionaram um grande concerto e a plateia reagiu de forma entusiástica. O seu rock, fortemente caracterizado por uma sonoridade retro dos anos 70 e pelos Black Sabbath (porventura influências dos seus pais e/ou avós) tem laivos de virtuosismo, com os seus músicos a revelarem dotes de execução técnica assinaláveis. Uma banda com elementos muito jovens, com excelente postura em palco e que marcará, por certo, os próximos anos na cena musical leiriense.


THE RUMBLES

Débora Umbelino: voz e guitarra ritmo
Roberto Oliveira: guitarra solo
João Marques: baixo e segunda voz
Vasco Silva: bateria e segunda voz

FACTOS:
Formaram-se em finais de 2010 e começaram a fazer versões, mas foi só em 2011 que se aventuraram nos originais. Dizem que a sua música é uma mistura de garage rock com noise rock e assumem influências de Pixies, Mudhoney, Wolfmother, Led Zeppelin, The Strokes e And So I Watch You From A Far.

APRECIAÇÃO FADE IN
Para a Fade In os The Rumbles foram a surpresa da noite, pois foi a banda que mais progresso fez em relação à actuação nas audições à porta fechada. A sua música, fresca, apelativa, “garageira” e contagiante, revela um potencial enorme, sobretudo se tivermos em conta que estes músicos são muitíssimo jovens e todos eles recrutados nas escolas secundárias. Se em poucos meses evoluíram tanto, quando os voltamos a ver certamente que ficaremos boquiabertos! Para seguir (muito) atentamente!

NOTA FINAL

O balanço do ZUS 2012 é extraordinariamente positivo. Houve um vencedor que garantiu o passaporte para o FADEINFESTIVAL devido à surpreendente componente estética e maturidade musical que patenteou, mas a FADE IN está sobremaneira agradada por ter percebido que o talento e a qualidade não se cingiram aos FIRST BREATH AFTER COMA. Estamos em crer que mais tarde ou mais cedo também outros dos finalistas do ZUS 2012 receberão o convite para actuar no nosso exigente festival. O ZUS foi uma festa muito bonita, de grande camaradagem e cumplicidade, com condições técnicas de topo, e provou que o trabalho desenvolvido entre a FADE IN e as Associações de Estudantes das Escolas Secundárias de Leiria pode resultar num casamento coeso, profícuo e duradouro…
A informação contida em “FACTOS” foi recolhida e gentilmente cedida à FADE IN por GONÇALO SILVA e MARIANA LÓIS, a dupla que também apresentou soberbamente esta primeira edição do ZUS! Um agradecimento especial ainda aos convidados NICE WEATHER FOR DUCKS pelo bonito concerto e pelas magníficas canções que fazem!