CLAP YOUR HANDS SAY F3ST!

MONITOR 2017

ENTREMURALHAS 2017

BESTIAL MOUTHS ARE THE TENTH ACT ANNOUNCED FOR ENTREMURALHAS FESTIVAL 2017

MÚSICA APOCALÍPTICO-MAQUINAL GUIADA POR UMA VOZ HÍBRIDA ONDE SE SENTE SIOUXSIE SIOUX, LYDIA LUNCH E DIAMANDA GALÁS!

Os californianos BESTIAL MOUTHS são uma das estreias mais aguardadas no nosso país, especialmente pela comunidade de melómanos mais dentro da cena da música de “difícil audição”. Caminho fácil é, portanto, algo que os BESTIAL MOUTHS se recusam a fazer e talvez seja por isso que, apesar da forte personalidade da sua música e dos elaborados vídeos que ostentam, se mantenham ainda num certo limbo de osbcuridade que os impede de ter uma maior e mais vasta visibilidade. Mas também é verdade que a sua música não é, claramente, para todos! Digamos que é “preciso ter estômago” para ouvir e ver alguns vídeos do quarteto oriundo de Los Angeles. As suas estruturas crescem a partir dos ritmos da baterista Jessica Reuter onde vão acentar os sintetizadores crus de Christopher Myrick e Gustavo Aldanas que debitam melodias sinistras, sons distorcidos e, por vezes, estridentes. A orgiástica miríade sonora completa-se com a voz poderosa e por vezes “furiosa” de Lynette Cerezo cujo timbre nos remete para um território onde cabem Siouxsie Sioux, Lydia Lunch e Diamanda Galás. Os BESTIAL MOUTHS vão abrir o festival ENTREMURALHAS 2017 e vão ser, com toda a certeza, a primeira das muitas (boas) recordações que todos os presentes levarão, ao fim dos três dias de evento, no regresso às suas casas…

 

RIYL: Sleeping Dogs Wake, Siouxsie And The Banshees, Lydia Lunch, Dear Deer, Diamanda Galás
TAGS: goth, minimal synth, experimental, industrial, apocalyptic, harsh, horror, post-punk

. SPOTIFY .
. BANDCAMP .
. YOUTUBE 01 .
. YOUTUBE 02 .
. YOUTUBE 03 .
. YOUTUBE 04 .
. YOUTUBE 05 .

TWA CORBIES ARE THE NINTH ACT ANNOUNCED FOR ENTREMURALHAS FESTIVAL 2017

TONY WAKEFORD (SOL INVICTUS) E GERNOT MUSCH (EX-PILORI) NUM DESFILAR DE SOBERBAS CANÇÕES

Os TWA CORBIES são formados pelo germânico Gernot Musch (ex-Pilori) e pelo inglês Tony Wakeford, figura relevante e incontornável da música alternativa, mentor dos Sol Invictus (que brilharam no Palco Alma, na sua actuação no ENTREMURALHAS 2011) e nome para sempre ligado aos Death In June que fundou com Doulglas P. depois de ambos terem dado corpo, entre 1977 e 1980, à seminal banda post-punk britânica Crisis. A dupla vem apresentar ao vivo no iconográfico e mágico palco da Igreja da Pena o seu álbum “The Clamouring”, um disco repleto de belíssimas canções de recorte neofolk/dark folk, ou não fosse Wakeford uma das referências maiores do género das últimas três décadas. Ora cantando individualmente ora cantando em harmonia, as vozes de Musch e Wakeford são, em TWA CORBIES, as mensageiras de um universo melancólico mas vigoroso, nostálgico mas repleto de amor à liberdade, sonhador e, ainda assim, político e nihilista. Contudo, o que se afere no final, é que os TWA CORBIES deixam sempre em aberto uma réstia de esperança, por pouco que seja, que nos mantém na crença de que os “dias negros a sério” jamais chegarão. Que seja esse, então, o seu mais vigoroso clamor!

RIYL: Sol Invictus, Darkwood, Rome, Har Belex, Death In June
TAGS: dark folk, neofolk, nihilism, hope, freedom

. SPOTIFY .
. BANDCAMP .
. YOUTUBE 01 .
. YOUTUBE 02 .
. YOUTUBE 03 .

TUXEDOMOON ARE THE EIGHTH ACT ANNOUNCED FOR ENTREMURALHAS FESTIVAL 2017

A ACTUAÇÃO DOS HISTÓRICOS TUXEDOMOON NO ENTREMURALHAS 2017 É INTEGRADA NA CELEBRAÇÃO DOS SEUS 40 ANOS DE CARREIRA

Os TUXEDOMOON formaram-se em São Francisco, nos Estados Unidos, em 1977, e é com enorme orgulho que a FADE IN os vai inscrever no seu já vasto e longo quadro de honra. O colectivo, fundado pelos incontornáveis Blaine L. Raininger e Steven Brown (ambos os músicos também com enormes e reputadíssimas carreiras a solo) são frequentemente descritos como um colectivo “avant-garde” e um organismo vivo em mutação permanente, de difícil definição estética. A sua obra tem tanto de música electrónica, como de música experimental. Tem tanto de jazz, como de música erudita. Tem tanto de new wave como de música étnica. Tem tanto de post-punk como de “no wave”. É, pois, este universo sem muros, sem qualquer tipo de espartilho castrador, que os TUXEDOMOON foram construindo ao longo destas quatro décadas. Do seu enorme espólio temos, obvia e obrigatoriamente, que fazer referência a dois dos seus temas absolutamente marcantes: “No Tears” de 1978 – um incontornável e reverenciado hit post-punk e, claro, “In A Manner Of Speaking”, para muitos uma das canções mais belas que se escreveram até hoje, alvo de versões, que vão, entre muitos outros, dos Nouvelle Vague a Martin Gore dos Depeche Mode. No dia 26 de Agosto de 2017 os TUXEDOMOON subirão ao Palco Alma do festival ENTREMURALHAS com uma formação que inclui, para além dos citados Blaine L. Raininger e Steven Brown, também Luc Van Lieshout, David Haneke (filho do realizador austríaco Michael Haneka que substituiu na banda Bruce Gedulgig, falecido em 2016) e claro Peter Principle, músico que está no grupo há já cerca de 37 anos, também ele autor de um conjunto de discos com uma sonoridade muito peculiar. O escritor Glenn O’Brien, especializado em arte, música e moda, descrevia em 1980 nas páginas da então influente e iconográfica Interview de Andy Warhol o som dos TUXEDOOMON como “maravilhoso, barroco, uma dança serpenteante através do espaço”. Volvidos tantos anos, temos a certeza que muitos mais adjectivos vão usar para descrever a música deste colectivo de culto transversal a tantas gerações…

 

RIYL: Tuxedomoon, Minimal Compact, The Residents, Blaine L. Raininger, Steven Brown, Peter Principle
TAGS: avant-garde, jazz, experimental, post-punk, new wave, no wave

. SPOTIFY .
. YOUTUBE 01.
. YOUTUBE 02 .
. YOUTUBE 03 .
. YOUTUBE 04 .
. YOUTUBE 05 .
. YOUTUBE 06 .

PERTURBATOR ARE THE SEVENTH ACT ANNOUNCED FOR ENTREMURALHAS FESTIVAL 2017

“METADE HUMANO, METADE SINTETIZADOR” – É ASSIM QUE DEFINEM UM DOS MAIS FAMOSOS PROJECTOS DE SYNTHWAVE/RETROWAVE DO MUNDO

PERTURBATOR é James Kent, um prodigioso músico e compositor sedeado em Paris, filho de dois jornalistas especializados em crítica rock – o britânico Nick Kent (NME, The Face, Sunday Times, Spin, Vox, Les Inrockuptibles) e a francesa Laurance Romance (M6, Libération) que, em jovens, tiveram uma banda techno/trance. Esse facto foi determinante para que James fosse alimentando uma paixão quase assolapada pelos sintetizadores. As outras paixões do músico são os anos 80 e toda a sua iconografia cinemática (com John Carpenter à cabeça), a cultura cyberpunk (e filmes como “Akira”, “Ghost In The Shell” e “The Running Man”) e também as atmosferas “trágicas” e “sinistras” que se reflectem nas capas dos seus discos e nas linhas melódicas de grande parte das suas composições, ao que não deverá ser alheio o facto de James ter sido guitarrista de algumas bandas de black-metal, género do qual é também fã confesso. O “boom” de PERTURBATOR deu-se a partir de 2012 quando vários dos seus temas integraram o jogo de computador “Hotline Miami”. Desde então tem sido imparável, tornando-se numa das referências maiores do synthwave a nível mundial. Os seus discos são editados em vários formatos limitados e tornam-se rapidamente em peças cobiçadas pelos mais fervorosos coleccionadores. Os seus espectáculos ao vivo, com um jogo de luz soberbo e som potente e cristalino, têm frequentemente lotações esgotadas. E é isso que se espera que venha a acontecer quando no dia 25 de Agosto subir ao Palco Corpo para encerrar o segundo dos três dias do ENTREMURALHAS 2017!

RIYL: Carpenter Brut, Gost, Magic Sword, Dan Terminus, Kavinsky, Vitalic
TAGS: synthwave, retrowave, 80’s dark synth music, vangelis, john carpenter, spooky, sci-fi horror movies, retro-futuristic

. SPOTIFY .
. BANDCAMP .
. YOUTUBE 01 .
. YOUTUBE 02 .
. YOUTUBE 03 .
. YOUTUBE 04 .
. YOUTUBE 05 .

NICOLE SABOUNÉ ARE THE SIXTH ACT ANNOUNCED FOR ENTREMURALHAS FESTIVAL 2017

NICOLE SABOUNÉ CONQUISTOU, COM A EXCELÊNCIA DE “MIMAN”, UM LUGAR ONDE SÓ AS DEUSAS TÊM LUGAR CATIVO.

A FADE IN descobriu a sueca NICOLE SABOUNÉ no tema “Last Rites” dos seus conterrâneos Agent Side Grinder (que se viriam a estrear em Portugal no ENTREMURALHAS 2015). Foi paixão à primeira audição e quando dissecámos os dois álbuns editados até agora ficámos com o desejo imediato de trazê-la, o quanto antes, ao Castelo de Leiria. A sueca de ascendência libanesa, que se apresenta ao vivo em formato quinteto, onde se inclui, por exemplo, Niklas Stenemo (vocalista dos Kite que tão brilhante concerto deram no ENTREMURALHAS 2016), tem na sua voz a grande magia, num timbre camaleónico, que tanto pode soar a Siouxsie Sioux, Lene Lovich, PJ Harvey, Lisa Gerrard ou Chelsea Wolfe. A música pop de reminiscências new-wave e post-punk do primeiro disco (“Must Exit” de 2014) transformou-se, no segundo (“Miman” de 2015 – entretanto reeditado em 2017 para o resto do mundo através da Century Media), num universo prodigioso, quase sagrado, que tem feito as delícias de quem procura algo contemporâneo e fresco na música de toada “pós-gótica”, e que tem colocado NICOLE SABOUNÉ no caminho da eternidade, onde só as deusas têm lugar cativo…

RIYL: Chelsea Wolfe, Savages, Darkher, Cocteau Twins, Siouxsie And The Banshees, Dead Can Dance, Mazzy Star
TAGS: new-wave, post-punk, post-goth, darkwave, ethereal pop, magical, gloomy, dream pop

. SPOTIFY .
. YOUTUBE 01 .
. YOUTUBE 02 .
. YOUTUBE 03 .

POSITION PARALLÈLE ARE THE FIFTH ACT ANNOUNCED FOR ENTREMURALHAS FESTIVAL 2017

ESTREIA EM PORTUGAL DO PROJECTO PARALELO DOS INCONTORNÁVEIS DERNIÈRE VOLONTÉ

Os franceses POSITION PARALLÈLE são formados por dois músicos de créditos firmados da cena alternativa europeia: Geoffroy Delacroix (voz, composição e mentor de Dernière Volonté – banda que se estreou em Portugal no Entremuralhas 2012) e pelo famoso fotógrafo gaulês Andy Julia (percussionista ao vivo de Dernière Volonté e vocalista dos Soror Dolorosa – banda que também já tem o seu nome inscrito na história do Entremuralhas, onde actuou em 2013). O duo, que assegura uma empolgante prestação ao vivo sobretudo devido à estilizada presença do seu front-man, apresentará no ENTREMURALHAS algumas das pérolas sonoras mais viciantes dos seus três álbuns (Position Parallèle de 2008; Neons Blancs de 2013; Un Garde à Vue de 2017). A música electrónica minimalista dos POSITION PARALLÈLE tem uma vincada componente pop e apresenta-se em formato canção de refrões orelhudos, onde se destaca uma voz apelativa, que se exprime em exclusivo na língua nativa. É neste particular que a banda se distingue entre as demais, ao povoar o seu território musical com uma certa aura neo-romântica onde uma poesia de reminiscências surrealistas emerge, facultando-nos aquele “je ne c’est quoi” que nos prende logo aos primeiros segundos…

RIYL: Dernière Volonté, Kraftwerk, Violence Conjugale, La Main, Étienne Daho, Lescop
TAGS: future retro synthpop, minimal wave, chanson, cold, surrealism

. SPOTIFY .
. BANDCAMP 01 .
. BANDCAMP 02 .
. YOUTUBE 01 .
. YOUTUBE 02 .

SELOFAN ARE THE FOURTH ACT ANNOUNCED FOR ENTREMURALHAS FESTIVAL 2017

 OS VÁRIOS AMBIENTES MINIMALISTAS E GÉLIDOS DE UMA BANDA QUE SE SUPERA A CADA DISCO!

Dimitris Pavlidis e Joanna Badtrip formaram os SELOFAN em 2011 na cidade de Atenas onde também gerem a Fabrika Records – uma editora que muito tem contribuído para a revitalização da cena underground europeia – responsável pela edição de discos de bandas como Lebanon Hanover, Die Selektion ou She Past Away (todas se estrearam no nosso país em diferentes edições do ENTREMURALHAS). Como seria de esperar, a vinda dos SELOFAN ao Castelo de Leiria era expectável e aconteceria mais tarde ou mais cedo. Com três álbuns editados até à data, os SELOFAN são detentores de uma forte presença ao vivo, como ficou confirmado na sua estreia no nosso país quando em novembro de 2014 “A Comissão” os levou a subir ao palco da Caixa Económica Operária. Os SELOFAN apresentam-nos uma sonoridade electrónica, minimalista, gélida, como se em cada canção pretendessem homenagear o movimento seminal das canções maquinais que no início dos anos 80 transformaram alguma da new-wave em darkwave. Temas como “The Wheels Of Love”, “Should We Dance?”, “Love Is A Mental Suicide”, “A Whimper”, “Snakes” ou “In The Darkness” (o actual hit das pistas de dança mais arrojadas e esclarecidas do país) vão fazer as delícias dos revivalista do retro-futurismo e transformar a Igreja da Pena (já sobejamente habituada a estas epifanias) no local certo para essa celebração..

RIYL: Lebanon Hanover, Visage, The Cure, Xmal Deutschland
TAGS: darkwave, minimal wave, electro, synthwave

. SPOTIFY .
. BANDCAMP .
. YOUTUBE 01 .
. YOUTUBE 02 .
. YOUTUBE 03 .